Dia Mundial da Fotografia Analógica

12 de abr. de 2020


Eu realmente não lembro onde vi/ouvi falar que hoje, dia 12 de abril, é o dia mundial da fotografia analógica. Mas, se é sobre fotografia, a gente está aqui pra comemorar!
Quem me segue aqui no blog, instagram ou até no twitter (às vezes coloco foto por lá, nem só de reclamação vive a conta) deve ter visto que fotografar pessoas não é lá algo que eu costumo fazer. Os motivos são vários, mas o principal deles é que eu realmente não me sinto confortável com a pressão de deixar a pessoa magra/bonita/sei-lá que a maioria procura tanto em fotografia de retrato. Minha ideia é mais fazer algo divertido, e das vezes que eu tentei, a pessoa só focava se estava gorda ou magra, não na foto em si.
Enfim, mas é sempre bom sair um pouco da zona de conforto (frase de coaching detected), mas não precisa ser tanto assim, hahaha. Por isso, ano passado, quando a Hanna (que ainda não tem blog, quem diria, não é mesmo O_O) veio passar o carnaval aqui em Brasília, resolvemos fazer um photoshoot analógico. Quer coisa melhor?
Como conheço a Hanna há alguns anos, já sei o estilo, as poses e ouso dizer que até o ângulo que ela prefere nas fotos. Então não posso falar que foi tão difícil assim! Pegamos um filme de 36 poses, Ektar 100 (meu segundo favorito) e "torramos" em uns 2 dias! Ainda vou colocar a primeira parte aqui, mas vocês já podem ver a segunda, e minha favorita.
Começamos fotografando nas bouganvilles que ficam em frente à Câmara dos Deputados. Não é lá o melhor lugar para fotografar, mas como era quarta-feira de cinzas, não tinha tanta gente assim nos bisbilhotando. Depois fomos caminhando até à Catedral, onde fotografamos nas famosas flores secas. Por último, já escuro, fomos ao bistrô "Nossa Cozinha" para a despedida (a Hanna já ia ao aeroporto) e comer uma sobremesa!
Bom, espero que vocês gostem das fotos! Confesso que essas são algumas das minhas favoritas e já estou com saudades de sair por aí fotografando.
P.s.: a última foto foi tirada pela Hanna, porque nem só de ser modelo vive o mundo.







6 on 6 - Abril 2020

7 de abr. de 2020








Sabe quando você acorda às 6h da manhã pra não se atrasar pra um compromisso às 15h, se acomoda por achar que tem tanto tempo e no fim se atrasa? Foi o que aconteceu comigo hoje.
Passei o dia pensando quais fotos tiraria, fotografei, tive que trabalhar e assistir à aula de Espanhol (tudo online...). Fui editar, jantar e depois, em vez de vir fazer esse post, fiquei de bobeira, na internet, falando mal de BBB. Quando me dei conta já tinha passado da 0h. Poxa, em plena época de quarentena, que estou fazendo pouca coisa em casa, conseguir atrasar um post que tive 24h pra colocar? Complicado, não dá pra me defender.
Mas, enfim. Não quero muito falar da situação do mundo por aqui, já basta a gente só escutar essa tal de COVID na televisão, ler nos jornais online e até nos grupos das redes sociais. Mas é impossível ignorar tudo isso. Eu fico pensando como e quando tudo vai passar. E, principalmente, se o mundo continuará o mesmo. Eu tenho um pouco de esperança que isso vai trazer algo imensamente bom para a humanidade, que as pessoas vão passar a se importar mais com outras coisas, aquelas que a gente nem lembrava que precisava tanto.
Mas isso é só uma pequena esperança, também tenho medo de que o mundo se mostre cada vez mais egoísta e autocentrado. Cada país querendo lutar individualmente para se reerguer. Não sei, só espero estar aqui pra ver.
Mas vamos ao que importa! Fotos! Segundo 6 on 6 seguido que eu tiro todas as fotos no dia 6 e posto em dia. Infelizmente, ainda editando as fotos pelo celular, nada de computador.

01. Eu sempre tive vontade de fazer pão. Sério, eu sou a maior defensora desse alimento, daquelas que usa a Bíblia pra defender (Jesus multiplicou o pão ou a crepioca? Fica aí o questionamento). Já tinha salvo várias receitas para experimentar, mas decidi pedir a de uma amiga, que sempre faz um pãozinho caseiro. Quem me acompanhou nos stories de ontem, domingo, 5 de abril, deve ter lido os meus lamentos achando que não daria certo. Mas e não é que deu?? Adorei fazer a receita e não achei nada fácil como as pessoas falam. Nunca mais vou reclamar de um participante do Bake Off.

02. Outra coisa que eu quis fazer na quarentena foi aprender mais pintura e desenho floral. Acho que não é novidade pra ninguém aqui o quanto eu gosto de flores e devo dizer que esse estilo mais desenhado (????), sem ser pintado de flor é um dos meus favoritos desde quando enchia os meus cadernos de rabiscos e folhagens. Estou adorando aprender novas formas e técnicas, depois compartilho mais com vocês.

03. Não lembro de ter colocado alguma foto do meu carrossel novo! Minha mãe comprou pra mim lá em Porto e, apesar de ter tido vontade de deixar o coitado no primeiro aeroporto, valeu a pena trazer mais um pra coleção!

04. Sou apaixonada por bordados desde pequena, pois nasci rodeada deles! Minha mãe, além da profissão dela, adora bordar! Já fez vestidos de noiva, roupas de 15 anos e por aí vai. Esses últimos dias ela tirou a poeira da máquina e está experimentando novas artes. Adorei essa mistura de cores.

05. Se tem uma coisa que eu fiz nessa quarentena, foi arrumar o meu guarda-roupa. Sério. Já arrumei de acordo com a cor, com o modelo, do novo para o mais velho. Vamos ver qual vai ser a próxima moda.

06. Por último, mas não menos importante, esse soneto do Shakespeare, meu favorito.

Ufa!!! Acho que já escrevi demais! Vão lá no blog da Mel que está cheio de coisinhas lindas e inspiradoras :).